A relação homossexual é crime em 73 países. 13 deles preveem pena de morte

Não bastasse serem alvo de ataques e assassinatos por motivo de ódio no mundo todo, gays, lésbicas e transexuais são tratados como criminosos em vários países e estão sujeitos até à pena de morte em alguns deles. Relações entre pessoas do mesmo sexo são consideradas crime em 73 países, segundo dados recentes da associação internacional ILGA (International Lesbian, Gay, Bisexual, Trans and Intersex Association), que monitora as leis relacionadas ao tema há 11 anos. É a chamada “homofobia de estado”.

As punições variam de multas e prisão à pena de morte. Há também países que não preveem penalidade ou não a aplicam atualmente, mas mantêm a criminalização em seu código penal – algo que não deixa de ser perigoso, avalia o especialista em relações internacionais e direitos humanos brasileiro Lucas Itaborahy, que foi pesquisador da ILGA por cinco anos. “Essa é a desculpa que a gente costuma escutar de alguns desses países, que a lei existe, mas não é colocada em prática. Enquanto esses países não descriminalizarem, seus cidadãos estarão sujeitos a qualquer arbitrariedade da justiça.”

Itaborahy aponta que existem três etapas básicas no caminho para o reconhecimento legal dos direitos LGBT: descriminalização (que relações homossexuais deixem de ser crime), proteção (leis contra a discriminação, por exemplo, no acesso a emprego) e reconhecimento (casamento e direito à adoção, entre outros). O Brasil está na lista do “reconhecimento”.

Um dos países da lista dos 73 que criminalizam é o Egito, que não penaliza tecnicamente as relações homossexuais em si, mas tem usado a interpretação de algumas leis (como uma que existe contra a libertinagem) para restringir e prender homens gays nos últimos anos. Segundo um relatório deste ano, atualmente há mais de 250 pessoas LGBT cumprindo pena nas prisões egípcias.

Pena de morte.
Segundo o relatório, 13 países preveem a pena de morte para atos sexuais consentidos entre pessoas adultas do mesmo sexo. Em quatro deles – Sudão, Arábia Saudita, Irã e Iêmen –, a pena é efetivamente aplicada pela Justiça no país todo. Em dois – Nigéria e Somália –, é aplicada em algumas províncias.

Em cinco desses países – Mauritânia, Afeganistão, Paquistão, Qatar e Emirados Árabes Unidos – não há registro de aplicação específica recente, e em dois deles (no Iraque e nos territórios controlados pelo Estado Islâmico nesse país e na Síria), os responsáveis por matar sistematicamente e com brutalidade os gays são milícias e grupos não estatais.

Homens e mulheres.
O relatório da ILGA avalia outros detalhes da “homofobia de estado”. Dos 73 países que criminalizam relações entre pessoas do mesmo sexo, 45 deles aplicam a lei tanto a homens quanto a mulheres. Nos demais, somente os homens estão incluídos.

Segundo Aengus Carroll, da ILGA, organizações ao redor do mundo têm feito pressão para que as relações com pessoas do mesmo sexo deixem de ser crime. “Muitos grupos ativistas, particularmente na África e na Ásia, não têm acesso político nem para começar a abordar o tema”, lamenta.

Ele explica que, no âmbito internacional, a reivindicação da ONU é para que os governos entendam que o que está sendo reivindicado não são direitos especiais, mas direitos humanos. “A pressão é para que sejam aplicadas as leis de direitos humanos também à orientação sexual e de identidade de gênero”, afirma. (AG)

PORTAL O SUL

 

Minhas notas

Apartir de hoje estarei postando algumas notas que publiquei no Facebook  nesses  anos, e os convido a acompanhar comigo…

Essa foi a primeira publicação , feita em 9 de dezembro de 2010…

 

VERDADE

download

A todo instante, temos a oportunidade de crescimento em torno do planeta que abriga nossa vida, e nos torna mais evoluidos a todo instante.

Que possamos fazer juz a nossa morada e, que a cada momento, reflitamos sempre, para que cresçamos a cada dia, mais e mais.

Silvio Donizete

Cuidado

As redes sociais (como Facebook, Twitter etc) nos dão um poder de comunicação tão grande que, mesmo sem perceber, podemos prejudicar pessoas que nem sabemos quem são. Esse é o alerta do livro “Humilhado – Como a era da internet mudou o julgamento público”, do britânico Jon Ronson, que acaba de chegar ao Brasil, pela Editora Best Seller (preço sugerido: 39 reais). Ele conta casos sinistros de maldade coletiva provocados pela nossa inocência. Ou ignorância.

De acordo com Ronson, na internet tendemos a encarnar facilmente o papel de juízes dos vacilos alheios. Mas a verdade é que nem todos temos base ou moral para ser justos, e podemos provocar reações perigosas e irreversíveis. Basta ver a opinião de Ted Poe, um juiz americano muito rigoroso, cujas penas são frequentemente confundidas com peças de humilhação pública dos condenados.
Ele reconhece que o sistema judiciário tem problemas, mas pelo menos dá o direito de defesa ao acusado. “Porém, quando [alguém] é acusado na internet, não tem direito algum. E as consequências são piores”, diz o juiz.

As consequências vão desde a perda do emprego, o fim de relacionamentos e até mesmo o suicídio provocado pela humilhação em larga escala. Ronson relata vários casos cruéis dessa nossa fúria coletiva por fazer justiça. No fim, a moral da história é:

1. Tenhamos muito cuidado com o que publicamos
Não estamos sós no planeta e, como nem todo mundo tem o mesmo grau de percepção, é bom deixar claro quando estamos brincando ou falando a verdade. Chato, mas o mundo está ficando assim mesmo.

2. Muito cuidado com as críticas que publicamos
Podem ser irremediavelmente injustas. Há duas semanas, uma nota dizia que a eterna Vera Fischer fora vista sem maquiagem, surpreendendo seus fãs porque, afinal, o tempo passa… É o tipo do assunto de que muita gente gosta – assumidamente ou não. Quando a nota caiu no Facebook, entretanto, começou a ser muito criticada e, por isso mesmo, essa notícia (?) de interesse tão restrito ganhou muito mais visibilidade do que se ninguém tivesse reclamado dela. A audiência do site que publicou quintuplicou

A experiência mostrou que o silêncio é a melhor reação a notícias que nos pareçam descabidas. Pessoalmente, acho que republicar notas da internet me preocupa mais, por exemplo, quando ampliamos a voz de políticos que, aproveitando-se da inconsciência dos palpiteiros on-line, beneficiam-se muito da propaganda gratuita.

Bom pensar nisso. Enfim, nem me cabe comentar se a nota sobre a Vera Fischer era relevante ou não, mas acreditem: muita gente lê fofocas on-line sem assumir isso publicamente. Aqui me cabe mostrar apenas que, supostamente criticando uma bobagem, damos muito mais destaque a ela. (Nelson Vasconcelos/AD)

PORTAL O SULPORTAL27internet-777x437

Diretor de parque diz que principal nascente do Rio São Francisco secou

O diretor do Parque Nacional da Serra da Canastra, Luiz Arthur Castanheira, disse em entrevista ao G1 na tarde desta terça-feira (23) que a nascente do Rio São Francisco, situada em São Roque de Minas, secou. Segundo Castanheira, essa nascente é a principal de toda a extensão do rio, que tem 2.700 km. O São Francisco é o maior rio totalmente brasileiro, e sua bacia hidrográfica abrange 504 municípios de sete unidades da federação – Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Goiás e Distrito Federal. Ele nasce na Serra da Canastra, em Minas, e desemboca no Oceano Atlântico na divisa entre Alagoas e Sergipe.
serracanastra5

Segundo Castanheira, o motivo é a estiagem. “Essa nascente é a original, a primeira do rio e é daqui que corre para toda a extensão. Ela é um símbolo do rio. Imagina isso secar? A situação chegou a esse ponto não foi da noite para o dia. Foi de forma gradativa, mas desse nível nunca vi em toda a história”, afirmou.
O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda, disse ao G1 que, embora a notícia ainda não tenha chegado oficialmente ao conhecimento do comitê, não causa surpresas em virtude de essa ser uma das estiagens mais graves desde que foi iniciado o acompanhamento histórico do rio. Para ele, a situação é preocupante, já reflete no nível das barragens e ameaça a biodiversidade do São Francisco.

“Isso não é comum, é preocupante. Não há dúvida de que algo em grande escala está mudando em nosso ecossistema. As principais barragens do Alto São Francisco, que são a de Três Marias e Sobradinho, estão sendo ameaçadas e se aproximam do limite de volume útil de água. Ou seja, a água dos principais afluentes está chegando ao nível zero, e a biodiversidade do rio está comprometida, além de a qualidade do rio estar se deteriorando”, explicou Miranda.

O volume útil da Represa de Três Marias, que é a primeira barragem construída ao longo do rio, chegou a registrar 6% nesta semana. A de Sobradinho, 31%. “São níveis baixíssimos e que causam impactos catastróficos, como já vem ocorrendo no Baixo São Francisco. Com o nível baixo, o oceano está invadindo o rio e salinizando a água doce”, concluiu Miranda.

Ele ressaltou que, apesar de a nascente em São Roque de Minas, no Centro-Oeste do estado, não ser determinante para o volume de água da bacia, ela serve como um “termômetro”, uma vez que o nível dos reservatórios da região é fundamental para o São Francisco.

Soluções
O presidente do Comitê da Bacia do rio diz que não se pode contar com o período mais úmido que deve vir após outubro. Ele defende que, independente das mudanças climáticas, a questão é emergencial e, para ser amenizada, deve-se mexer no modelo da bacia enérgica do São Francisco, realizando um grande pacto das águas.

Anivaldo Miranda pontuou ainda que o poder público deve tratar a bacia hidrográfica com prioridade por ser uma das principais do Brasil e estar entre as mais vulneráveis. “O rio atravessa quase 1 milhão de quilômetros quadrados de região semiárida, atende a região nordeste e grande parte de Minas, onde há grande vulnerabilidade hídrica”, afirmou.

Diante dessa situação crítica, que na visão do especialista começou a se agravar em abril do ano passado, o Comitê da Bacia do São Francisco vai realizar audiências públicas com pessoas diretamente ligadas à bacia. O diálogo terá duração de 18 meses e será feito com o governo federal, municípios, usineiros, mineradores, pescadores, população nativa das comunidades ribeirinhas e comunidade civil. O objetivo das audiências será discutir sobre o futuro da bacia e apresentar a urgência de investir na recuperação hídrica do São Francisco.saofrancisconascente

Incêndios
Para piorar a situação, a seca tem causado vários focos de incêndio no Parque Nacional da Serra da Canastra nos últimos meses – levando à utilização da pouca água do São Francisco para apagá-los. Em julho, o fogo devastou cerca de 40 mil hectares de vegetação nativa. “Combatemos as chamas usando água do parque, mas isso não foi o fator mais agravante. O que pesa mais é a seca, a falta de chuva. Corre pouquíssima água, e essa realidade é triste”, disse o diretor do parque. O incêndio mais recente durou quatro dias e, pouco depois, outros focos foram registrados.

A estiagem deste ano ocorre em todo o país há vários meses, exceto na região Sul. Em Minas, diversas regiões enfrentam o problema da seca, entre elas cidades do Triângulo Mineiro, Zona da Mata e Centro-Oeste do estado, que já chegaram a decretar situação de emergência pelo desabastecimento e a multar moradores flagrados desperdiçando água.
E as previsões são pouco animadoras. A primavera começou às 23h29 desta segunda-feira (22) e, de acordo com o meteorologista Marcelo Pinheiro, da empresa Climatempo, a tendência é que na estação a temperatura fique de 2ºC a 3ºC acima da média nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste. No Sul, a temperatura pode ficar até 3ºC acima da média.

Além disso, a primavera deve ser caracterizada por temperaturas um pouco acima do normal e chuvas dentro da média na maior parte do país – porém ainda insuficientes para resolver o problema de falta d’água nos reservatórios. Especificamente para a região afetada pela seca no Centro-Oeste de Minas Gerais, a previsão é de que o período de chuvas só comece em outubro.

*Colaboraram Palmira Ribeiro e Anna Lúcia Silva

fogo_1

Caroline Aleixo e Carolina Portilho * Do G1 Centro-Oeste de Minas

‘Quero todos os discos do Brasil’, diz colecionador com 5 milhões de vinis

zero_freitas_g1_003

Ter uma cópia de todos os vinis já lançados de música brasileira é o objetivo de Zero Freitas, empresário que já estima guardar 5 milhões de álbuns (entre nacionais e estrangeiros) em dois galpões em São Paulo. Ele chamou atenção entre colecionadores do mundo ao comprar 1 milhão de discos de um ex-lojista dos EUA, e foi destaque em reportagem da “New York Times Magazine” no dia 8 de agosto.
Zero contratou 16 estagiários — a maior parte estudantes de história — e uma gerente para catalogar os álbuns, em um galpão na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo. O G1 visitou o espaço com 500 mil discos, onde também funciona uma das empresas dele, que aluga luz e som para peças de teatro. Zero mostrou o processo de catalogação. Em outro galpão maior próximo, na Lapa, ele diz guardar mais 4,5 milhões de álbuns
zero_freitas_g1_009

O empresário, músico e colecionador quer “todos os discos de música brasileira” pois tem “obsessão por memória e história”. Além do acervo em galpões, ele contabiliza 100 mil discos em casa. Os que ficam nos galpões são catalogados em uma velocidade média de 500 por dia, o que não dá conta de escoar os lotes de centenas de milhares que ele compra em todo mundo.

Quem é Zero Freitas
José Roberto Alves Freitas, que adotou o apelido Zero, é um empresário paulista de 60 anos — ele aponta erro do “New York Times”, que disse que sua idade é 62. Ele é graduado em Música pela Universidade de São Paulo (USP), e se especializou em trilhas para peças de teatro. Em paralelo, cuida de negócios de transporte da família. Hoje é diretor comercial da transportadora Benfica, que, entre outros negócios, opera linhas de ônibus em Diadema (SP).

“Não tive prazer nos primeiros dez anos de trabalho com transportes. Eu tinha que ser guia turístico e viajava o Brasil todo com 90 idosas malucas e meia dúzia de jovens, nos anos 70”, conta. Ele diz já ter se dedicado “24 horas por dia” tentando conciliar as trilhas de teatro e os negócios familiares. Hoje, continua com a “responsabilidade” de dirigir a companhia, mas tem mais tempo para a crescente coleção de vinis.
O empresário tem três filhos do primeiro casamento, que durou 22 anos. O segundo casamento, sem filhos, já dura 20 anos. Foi com a atual mulher que ele diz ter começado seu período de “abundância”. O sucesso financeiro, segundo ele, “já estava no mapa astral”.
“Quando conheci minha atual mulher, isso me abriu um canal de abundância, uma coisa mística, esotérica. Abundância financeira, mesmo. Tinha alguma coisa que emperrava isso. De repente, passei a investir em coisas que davam muito certo. Comprava uma casa caindo aos pedaços, no dia seguinte ia uma incorporadora e oferecia três, quatro vezes o que eu paguei. Isso já estava no meu mapa astral desde o início”, afirma.
‘Maluco’
“Ele era mais maluco que eu”, diz Zero Freitas sobre Olivier Toni, maestro e professor da Faculdade de Música da USP. Seu ex-professor era obcecado por buscar partituras de música barroca no interior de Minas Gerais, e acabou se tornando uma das inspirações para o esforço de Zero por colecionar música.
A paixão também vem de família. “Minha mãe é louca por música. Quando criança, me passou essa paixão por música brasileira, e aos cinco anos me comprou um piano”, lembra. O primeiro vinil foi “Roberto Carlos canta para a juventude”. Também é do cantor capixaba uma das peças mais valiosas da coleção atual: “Louco por você”, trabalho de estreia, que foi renegado pelo próprio Roberto. Enquanto fãs do “rei” sonham com uma cópia do álbum, Zero tem quatro.
Quando vale a coleção? De cara, ele responde: “Não tem preço e não está à venda”. Mas, fazendo um cálculo geral, ele diz que, entre bolachas “que não valem nada” e outras raríssimas, o valor total deve bater os R$ 5 milhões.

‘Obscuridades’
“Só de discos de cantoras evangélicas cariocas, tenho mais de mil, daqueles que nem a mãe da artista deve saber que existe. Mas me interessa pela obscuridade sociológica”, diz aos risos. Os amigos sabem do interesse dele por discos renegados. “No último ‘lixo’ que me deram, veio um LP do América do Rio, de 1960. Eu nunca vi isso e tenho certeza que os torcedores do América também não conhecem”, conta.
A coleção “deu um salto” quando ele mergulhou no eBay, site de leilões online, no começo dos anos 2000. “Comprava raridades por quase nada”, diz.
Zero diz não comprar mais pelo site, mas ainda arremata coleções inteiras de todo o mundo, com a ajuda do “olheiro” carioca Allan Bastos, que conheceu no eBay. Também colecionador, Allan morava em Nova York e agora se mudou para Paris. Ele faz contato com pessoas que ajudam a achar oportunidades de compras em várias cidades. As compras chegam de navio, em containers.
Projeto de site
O próximo projeto é o site Emporium Musical, onde pretende colocar a lista de todo o acervo catalogado e abrir para consulta pública. Os interessados em conhecer o disco teriam que contatar Zero pelo site e combinar a visita diretamente, planeja.
O empresário não tem ideia de quantos discos ainda precisa comprar para completar a ambiciosa meta de ter toda a música brasileira em vinil. Ele também não sabe qual o número exato de discos de música brasileira e estrangeira tem, já que a coleção total ainda está sendo catalogada.
Mas, pelo menos entre os discos de 78 rotações (populares na primeira metade do século 20), há boa expectativa de chegar à meta. “Há uma estimativa de que foram lançados 60 mil discos brasileiros neste formato. Estou de olho em uma coleção que vai me levar bem perto deste número”, adianta Zero.

Rodrigo Ortega
Do G1, em São Paulo